BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Abre-se ano com ofensiva do governo sobre o SMI e a RBE

imagem

Campanha Rebelar-se no presente. Revelar o futuro.

Janeiro 2012

O novo governo da burguesia espanhola continua a aplicar as medidas que o Capital demanda. A notícia de que o governo de Rajói vai congelar o Salário Mínimo Interprofissional (SMI) e a supressom da Renda Básica de Emancipaçom (RBE) há que enquadrá-lo na mesma praga de recortes e ataques contra os direitos dos e das trabalhadoras que a burguesia leva meses aplicando para salvar o seu sistema.

Segundo dados para a Comunidade Autónoma Galega do Consejo de la Juventud de España (CJE) -plataforma que agrupa entidades juvenis do Estado espanhol, incluidas as seçons juvenis dos partidos do regimem, criada em 1983 mediante umha lei ordinária-, a taxa de emancipaçom da juventude entre 18 e 21 anos é de 13.3%, e de entre 25 e 29 anos de 42.9%.

Quando falam de congelar o salário mínimo ou de impedir a nossa emancipaçom, atacam umha boa parte da classe trabalhadora, preferentemente aqueles e aquelas que tenhem contratos mais precários e eventuais. Neste eido somos a juventude, as mulheres e imigrantes quem voltamos a ser os setores que mais sofrem esta decisom, que vai ligado diretamente com o ascenso da emigraçom, da qual falávamos umhas semanas antes, e à qual se vem obrigados e obrigadas milhares de jovens galegas.

Ainda mais; nom só a condiçom de jovem, mulher ou imigrante é necessária para ser objetivo da rapina burguesa. Sermos galegos e galegas, viver nesta naçom assovalhada por Espanha releva-nos a umhas condiçons materiais inferiores à doutros povos que oprime o estado espanhol. Galiza é um país espoliado, cada vez mais improdutivo, onde a destruiçom do meio ambiente e dos postos de trabalho que ocupa a juventude estám no ponto de mira da classe dominante espanhola. 37.8% da juventude trabalhadora entre 18 e 24 anos está no desemprego, Os moços e moças que trabalham recebem como salário mínimo umha cifra ridícula, ficando em 633 euros/mês, o que, obviamente, impede qualquer emancipaçom.

Cada vez com mais razons, a juventude rebelde galega tem de armar-se ideologicamente e aplicar na prática o que levamos anos construindo. Devemos ser a juventude quem tome o mando ante a destruiçom do nosso futuro. De BRIGA insistimos na necessidade da organizaçom, passo indispensável para luitarmos e contruirmos o estado galego, socialista e feminista.

ORGANIZA-TE E LUITA!

NEM UM PASSO ATRÁS!