BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

BRIGA valoriza positivamente VIII Jornada de Rebeliom Juvenil

imagem

Campanha Rebelar-se no presente. Revelar o futuro.

Julho 2012

Os atos programados por BRIGA dentro da oitava ediçom da Jornada de Rebeliom Juvenil que se desenvolvêrom este 24 de julho fôrom a expressom de todo um ano de trabalho depois de que na ediçom anterior a Delegaçom do Governo espanhol impedisse a manifestaçom e o governo municipal compostelano do PP proibisse de facto o nosso já tradicional concerto no parque de Belbis.

O principal objetivo que perseguia a nossa organizaçom nesta ediçom consistia em desenvolver integramente a manifestaçom e o concerto, questons nada doadas de assegurar dados os grandes impedimentos que se colocam à juventude organizada em BRIGA para difundir as suas atividades e o seu projeto devido aos grandes défices democráticos que padece o corrupto e degenerado sistema jurídico-político espanhol, onde a liberdade de expressom adoece pola sua ausência.

Valorizando os possíveis cenários que se nos podiam apresentar, de BRIGA entendíamos que nom podíamos passar mais um ano sem realizar a nossa manifestaçom e o nosso concerto. E como resultado da experiência do ano anterior, as vias que ficavam para termos as nossas atividades certas de realizar-se estavam definidas, mas ainda havia que explorá-las.

Quigerem ou nom, tivemos manifestaçom

O argumento mais utilizado pola polícia espanhola para dissolver as nossas manifestaçons em anos anteriores era que carecíamos de permisso por parte da Delegaçom do Governo espanhol e portanto nom tinham nengum impedimento para bater com sanha sobre o nosso cortejo.

Porém, desta vez nom obtivêrom permisso para utilizar as suas porras e peloteiras porque o permisso para manifestar-nos tinhamo-lo nós depois de obter umha histórica e inédita vitória judicial da juventude rebelde organizada em BRIGA contra a prepotência e arrogáncia da Delegaçom do Governo espanhol que pretendia impedir a nossa manifestaçom sem molestar-se demasiado em oferecer explicaçons. O Tribunal Superior de Justiça de Galiza deu-nos a razom, através dumha resoluçom que deve sentar precedente e, portanto, permitir as futuras mobilizaçons da juventude rebelde independentista nos próximos 24 de julho.

Com a vitória de BRIGA em salons judiciais nom vamos mudar o nosso projeto juvenil rebelde e continuaremos considerando que as batalhas mais decisivas contra o inimigo se vam dar na rua. Porém, devemos aproveitar todas as suas próprias contradiçons para ganhar-lhes terreno e podermos avançar para construir mais naçom galega, socialismo e feminismo.

Embora anunciássemos na nossa propaganda impressa o início da manifestaçom às 22h, o desenvolvimento do processo judicial concluiu que devia começar umha hora antes, facto que se comunicou só um dia antes da manifestaçom. Com esta confusom quanto à hora de saída, a manifestaçom saiu da Porta Faxeira encabeçada por umha faixa que recolhia a legenda da campanha que desenvolvemos ao longo de todo o ano e que culminou 24 de julho. Umha polícia espanhola bastante raivosa ao ver como nos manifestávamos berrando consignas contra o sistema que defende, rodeou em todo momento o cortejo manifestante realizando algum intento de identificaçom d@s noss@s manifestantes, frustrado polo serviço de ordem.

O cortejo manifestante caraterizou-se polo seu tom combativo e o seu ánimo de luita. Decorreu polas principais ruas do centro da nossa capital, logrando aceder à zona velha para finalmente chegar à Praça da Galiza onde Eva Cortinhas, membro da Mesa Nacional, dirigiu-se com umha arenga muito combativa e cheia de força @s assistentes. A manifestaçom rematou com o canto do hino da Pátria.

Um bom concerto

O estado de exceçom que o neofascista Partido Popular compostelano está a ensaiar na cidade com a aprovaçom de ordenaças municipais que restringem a liberdade de expressom de quem, como BRIGA, utilizamos a rua para transmitir o nosso projeto, levou-nos a estabelecer umha nova localizaçom do concerto, transladando-a para o campus sul da USC.

Malia a grande oferta de atuaçons musicais que há nessa noite em Compostela, a alternativa em regime de autogestom e ilusiom que oferece a militáncia de BRIGA foi bem acolhida por um público assistente cuja quantidade superou as expetativas da organizaçom, posto que o lugar ficava um tanto descentrado dos principais núcleos de atraçom festivos subvencionados e apoiados polas diferentes administraçons.

Desde as 23.30h contamos com a atuaçom do grupo viguês de hardcore Rojo dos, cujos intensos e potentes ritmos, acompanhados de letras combativas, imbuírom grande ánimo n@s assistentes para começar bem a noite.

A seguir, as companheiras, e anfitrioas, Sacha na Horta, dérom a cor feminista e desenfadada ao concerto.

Por volta das 02.00h da madrugada do dia da Pátria, BRIGA desenvolveu um ato político desde o cenário de atuaçons que consistiu na leitura do Manifesto da VIII Jornada de Rebeliom Juvenil a cargo das nossas companheiras Cristina e Laura, acompanhadas doutr@s jovens que por trás delas portavam piruletas com os símbolos que representam os princípios político-ideológicos da nossa organizaçom.

Também contamos com a presença de jovens que assistírom em representaçom das organizaçons juvenis dos seus repetivos países. Assim, em primeiro lugar um jovem membro da organizaçom juvenil da esquerda independentista aragonesa -Purna-, dirigiu umha breve saudaçom @s assistentes assim como a BRIGA. Depois umha jovem da esquerda abertzale também saudou a realizaçom da nossa JRJ para o qual nom duvidou em utilizar o nosso idioma. Ademais de contar com a presença destes/as companheir@s, desculpárom a sua ausência a juventude rebelde asturiana de Darréu, a cántabra de Regüelta, a castelhana de Yesca e a catalana da nova organizaçom Arran.

Após o ato político continuárom as atuaçons musicais e desfrutamos dos bascos de Vendetta, tam aguardados polo público assistente, cujos ritmos ska figêrom bailar e vibrar a tod@s e cada um/ha.

Em último lugar atuárom os incombustíveis Cuchufelhos, que impedírom diminuir o ritmo de entrega do público até bem entrada a madrugada. A todos os grupos aproveitamos para lhes enviar umha forte aperta pola sua grande profissionalidade e entrega.

De BRIGA aguardamos que o sucesso desta VIII JRJ se repita em vindouras ediçons e que continuemos contando com o apoio da juventude rebelde galega para garantir o seu desenvolvimento.