BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Recuperar a memória para fazer história (III): Maria Araújo

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Dezembro 2012

Tal dia como anteonte há 23 anos, morria na Havana a combatente galega Maria Araújo, conhecida como Maria “A Guerrilheira”. Um dos muitos exemplos que as jovens galegas de hoje devemos conhecer para derrubar o mito da mulher submissa, e achegar-nos a umha liçom protagonizada pola luita incansável desta mulher que combateu nos dous lados do oceano, contra as injustiças de este sistema criminal: aqui contra Franco e lá em Cuba contra Batista.

Maria Araújo nasceu em Carril em 1904, com só dous anos emigrou com os seus pais para Havana. Ali passou a súa infáncia, e na sua adolescência começou a sua iniciaçom nas luitas proletárias, vinculando-se ao nascente movimento comunista cubano.

Em 1932 retorna a Galiza com as suas duas crianças, para mais tarde unir-se-lhes o seu companheiro. O companheiro começa a trabalhar no mar e ela numha fábrica de conservas na cidade de Vigo.

Nesta cidade, tentava aplicar todo o que aprendera nas luitas sindicais sendo militante do Partido Comunista Cubano e chegou a dirigir um sindicato que agrupava vinte e cinco mil mulheres trabalhadoras das conserveiras viguesas.

Dentro do seu trabalho sindical luitava pola igualdade do salário feminino, enfrentando diretamente os armadores que pagavam baixos salários às mulheres.

Quando começou a Guerra Civil, ela e o seu marido tivérom que passar à clandestinidade, andárom escapadas polos montes das comarcas vizinhas, por vezes encontrando abrigo em casas de amigas. Ele consegue fugir para Cuba, mas ela foi detida e levada para a cadeia, levando-se com ela a sua filha mais pequena, Dora.

Passou nove anos em prisom onde sofreu torturas por parte dos falangistas. Quando sai ceive, graças ao cónsul de Cuba em Vigo, é capaz de fugir para Cuba com documentaçom falsa.

Lá começa umha nova etapa militando no Partido Socialista Popular. Maria dedicou-se a arrecadar ajudas para o povo que seguia luitando contra Franco. Colaborou na luita contra Batista escondendo armas e combatentes, vendendo bonos do Movimento 26 de Julho, repartindo propaganda, instruindo trabalhadores/as nas seçons sindicais, etc.

Com o triunfo da revoluçom em 1959 fundou um Comité de Defesa da Revoluçom, ajudou na organizaçom da Federaçom de Mulheres Cubanas, participou na campanha de alfabetizaçom, alistou-se nas milícias populares e formou-se em defesa civil. Devido à sua habilidade e experiência, participou em labores de contra-inteligência, neutralizando alguns planos terroristas.

Morreu na sua morada da Havana o dia 26 de dezembro de 1989.

Todo um exemplo de entusiasmo e valores desta galega que dedicou toda a sua vida e as suas melhores qualidades à causa da revoluçom, e a construçom dumha sociedade mais justa.

Bibliografía:

García López, E. (s.d.): "María Araújo. Dúas patrias unha loita: María a Guerrilleira" in Álbum de mulleres. Consello da Cultura Galega [www.consellodacultura.org].

Neira Vilas, X. (1998): Galegos que loitaron pola independencia de Cuba. Corunha: Ediciós do Castro, 230-233.

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher