BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Intervençom polo aborto livre e gratuito

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Abril 2013

http://www.youtube.com/watch?v=U2FCXz_jFMA&feature=youtu.be

Esta semana as jovens organizadas em Briga do sul da Galiza boicotárom vários paineis publicitários da Conferência Episcopal Espanhola com nova propaganda anti-abortista. Assim, o centro da cidade, o vial à Universidade e a paróquia de Zamáns fôrom limpadas desta propaganda machista, com pintura lilás e as legendas “Nós parimos, nós decidimos”, “Igreja fascista”, “Aborto livre” e “O machismo mata”.

Esta campanha da Igreja Católica coincide com as novas ameaças polo ministro espanhol Alberto Ruíz Gallardón que anunciam umha mudança na lei que regula a interrupçom voluntária da gravidez. Anunciou-se, pois, a próxima penalizaçom do suposto de malformaçom fetal, que desde 1984 era considerado como motivo legal para abortar, e a eliminaçom a lei de prazos vigente desde 2010. Além do mais, esta campanha também coincide com a abertura do período da declaraçom da renda, servindo à Igreja Católica como meio de visibilizar-se, para assim arrecadar das arcas do Estado milhons de euros numha época de crise social, austeridade e recortes em educaçom, sanidade e serviços sociais.


As jovens organizadas em BRIGA exigimos:

  1. Direito ao aborto livre e gratuito no sistema público sanitário.

  2. Gratuitidade de todos os métodos anticonceptivos e da pílula pós-coital.

  3. Incremento dos Centros de Educaçom e Orientaçom Sexual de caráter público para a juventude trabalhadora.

  4. Nem um cêntimo de dinheiro público para a Igreja Católica nem para os seus centros de ensino concertados.

  5. Eliminaçom das subvençons que a Junta e o Estado espanhol concedem às organizaçons anti-abortistas como Red Madre ou AYUVI.

  6. Gravame do Imposto de Bens Imóveis (IBI) ao património da Igreja Católica, e que este seja destinado a programas de educaçom sexual e direitos reprodutivos para a juventude trabalhadora.

  7. Mudança da matéria de Religiom Católica por umha de Educaçom e Orientaçom Sexual e Direitos Reprodutivos.

  8. Derrogaçom da “Lei da família” (2011) e o “Plano para a dinamizaçom demográfica de Galiza 2012-2015, horizonte 2020”,(2012) aprovados polo governo da Junta.

Avante a luita feminista!
Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher