BRIGA, organiza�om juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gr�fico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Novos dados sobre consumo de drogas nom legais na Galiza

imagem

Julho de 2006

Atravs de informaons aparecidas nas ltimas semanas nos meios de comunicaom puidemos conhecer os dados do ltimo informe institucional em relaom com o consumo de drogas nom legais na Galiza. Em concreto, o nosso Pas situa-se frente do Estado espanhol, que por sua vez j est frente da UE, no consumo de cocana. Alis, Galiza mantm-se, junto com Euska Herria, cabea do Estado espanhol no consumo de herona, se bem o consumo desta substncia desceu.

@s jovens organizad@s em BRIGA somos conscientes da complexidade do tema das drogas e a relaom da juventude com elas. Nom queremos deixar de lembrar que estas tambm som mais umha ferramenta do capitalismo para o controlo social dumha mocidade com nulas perspectivas de futuro. Para a burguesia melhor umha juventude trabalhadora que procura umha "sada" sua insatisfacom material e imaterial nas drogas do que umha juventude trabalhadora organizada e combatente, como a que participou na recente greve do metal (e de jeito contundente e protagonista). A droga foi utilizada com este propsito em muitos contextos de conflito, e segue a s-lo hoje, em plena ofensiva neoliberal, porque sabem que antes ou depois a precarizaom, a pauperizaom e, em definitivo, a crescente exploraom, vam-lhes estoupar nas maos.

O narcotrfico mais um negcio do sistema capitalista, um negcio com mltiplas relaons com a corrupta classe poltica do regime (algo j plenamente demonstrado na Galiza) e com outras esferas do Estado como os corpos repressivos. Um negcio que, segundo alguns clculos, supom entre o 25% e o 30% do PIB espanhol. Os narcos som parte da burguesia e da oligarquia, embora as suas actividades nom sejam legais.

A juventude trabalhadora da Galiza nom pode esquecer estas questons hora de relacionar-se com as drogas, nem pode deixar de denunciar um sistema que, atravs destas, nos quer passiv@s e dceis. De BRIGA seguiremos a denunci-lo e combati-lo.