BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Julgarám em Mondonhedo dous jovens por exercer a liberdade de expressom

imagem

Campanha 366 dias de dissidência. 366 murais de subversom

Junho de 2008

A próxima quarta-feira 2 de Julho dous jovens independentistas serám julgados em Mondonhedo acusados de danos pola realizaçom dum mural num prédio abandonado dumha estaçom de comboios em desuso e por desobediência à autoridade, por nom calar ante os abusos dos agentes da Guardia Civil que realizarom a identificaçom.

A falta de liberdade de expressom reinante no Estado espanhol ve-se mais umha vez reflectida, desta vez através das suas "democráticas" forças e corpos do estado. Os dous jovens fôrom retidos, identificados, roubados e denunciados pola Guarda Civil na comarca da Marinha. O terrível delito que estavam a cometer era fazerem murais em muros velhos ou de formigom.

Os jovens tratados como delinqüentes polos picolos enfrentam-se agora nom só a umha suposta falta de danos senom também de umha esperpéntica falta de ordem pública polo seu "menosprezo e desconsideraçom" mostrada aos agentes. Ou seja, agora além de mejarem por nós pretendem que digamos que chove!!

Neste Estado de "direito" semelha que quem destrói e provoca danos som os jovens que cum mural pretendem denunciar originalmente as desfeitas que se estám a fazer no País em todos os ámbitos (cultural, sócio-económico, lingüístico...). Danos provocam-nos dous jovens com tintura e rolos, com pincéis e moldes, e nom os construtures que levam décadas a alcatranarem a costa marinhá. O delito comete-o a juventude que se quer expressar e nom o empresário que para obter um maior benefício reduz as medidas de segurança fazendo da Galiza o país da Uniom Europeia com um índice maior de mortes de trabalhadores/as.

Neste "império da justiça" é processada a juventude que defende os seus direitos e nom os guardas que ficam com mais de 18 botes de tintura, mais de 20 moldes, rolos e mesmo umha espátula que os rapazes tinham na bagageira do seu carro.

E ainda nos dirám que no Estado espanhol há liberdade de expressom, num estado onde há que pedir permissom ao governo espanhol para fazer umha simples concentraçom na rua, onde fazer um mural cumha mensagem que nom seja do agrado das forças repressivas do Estado implica julgamento e pagamento de multa e em que contestar às faltas de respeito e abusos policiais levará-che a estar acusado de umha surpreendente falta por menospreço face aos agente.

Aliás, resulta realmente preocupante que um par de tipos mostrem o seu alto nível de formaçom académica incluindo entre os "danos" provocados polos moços umhas pintadas com a legenda "ZP+PSOE=ETA" e outra feita numha igreja de "golpe de estado". Assim que polo nosso afám pedagógico, e sendo conhecedores de que lerám esta página, informamo-lhes, senhores picoletos, que essas pintadas som feitas por gentalha de ultra-direita, gente da falange ou exaltados do PP, desses que gostam dos "golpes de estado". Com certeza, algum conhecerám. Quem pinta cousas como "na Galiza em galego" ou "na luita está o futuro" ou "selecçons nacionais oficialidade", nada tem a ver com aqueles. E nom se preocuparem, no próximo episódio repressivo iremos informando-lhes do significado das nossas legendas. Até entom.

Coincidindo com este novo juízo contra a liberdade de expressom, BRIGA convoca umha concentraçom solidária às portas do julgado às 9h30.