BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Mural colectivo em Ferrol pom fim à campanha “366 dias de dissidência. 366 murais de subversom”

imagem

Campanha 366 dias de dissidência. 366 murais de subversom

Agosto de 2008

A realizaçom dum mural colectivo no centro de Ferrol, ponhia fim à campanha nacional iniciada com o objectivo de alcançar os 366 murais no praço dum ano.

Num dia assinalado como o 12 de Agosto, no que recordamos a figura do jovem comunista galego Moncho Reboiras, realizávamos o último mural dumha iniciativa iniciada em Agosto de 2007 e que calificávamos de declaraçom, desafio e convite. Transcorridos 366 dias desde que iniciamos esta intensiva campanha de agitaçom, podemos afirmar com satisfacçom a superaçom de todos os objectivos marcados. Em quanto à declaraçom, porque com os 366 murais realizados contribuimos a recuperar as ruas como espaço natural do projecto emancipador do que fazemos parte. Em quanto ao desafio, porque soubemos superar os atrancos colocados por Polícias locais e espanhóis e Guardia Civil, que com umha pressom constante tratarom mais umha vez de impedir a liberdade de expressom. E por fim, em quanto ao convite, porque logramos somar companheir@s nesta ambiciosa tarefa para levar a nossa mensagem aos muros dumha boa parte da geografia nacional.

Trasancos, Ortegal, Marinha, Terra do Návia-Eu, Corunha, Marinhas, Eume, Terra Chá, Bergantinhos, Ordes, Marinhas, Muros-Noia, Costa da Morte, Compostela, Arçua, Terra de Melide, Ulhoa, Lugo, Sárria, Ancares, Berzo, Barbança, Caldas, Taveirós, Deça, Valdeorras, Cabreira, Ourense, Ribeiro, Paradante, Condado, Vigo, Baixo Minho, Ponte Vedra, Salnês, Barbança, Morraço, Carvalhinho e Terra de Montes som as comarcas nas que realizamos os murais da campanha nacional nestes 366 dias de intenso trabalho.

O 12 de Agosto encerravamos a campanha “366 dias de dissidência. 366 murais de subversom” que junto com outras iniciativas nacionais e comarcais, nos ocupou ao longo de um ano e com a que quigemos reivindicar a rua, o compromisso militante e as diversas fasquias do nosso projecto. Passado um ano, achamos que o logramos.