BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

8 de Março. Contra a crise capitalista, luita feminista

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Março de 2009

Achega-se um novo Dia da Mulher Trabalhadora que, por desgraça, porá de manifesto a debilidade do movimento feminista galego. Após umha ilusionante recuperaçom do feminismo com a criaçom da Marcha Mundial das Mulheres, hoje é mais que evidente a institucionalizaçom dumha parte do movimento, trasformado em mero apêndice da conselharia de turno e a frazqueza das que seguimos apostando pola rua como principal cenário para lograr conquistas e debilitar o patriarcado.

A vitória do Partido Popular nas eleiçons autonómicas e a nova campanha da Igreja e a direita espanhola no marco da reforma do direito ao aborto, configuram umha nova oportunidade para recuperar a iniciativa. É hora de assumir os erros do passado e rearmar-se para enfrentar a iminente ofensiva patriarcal. É urgente que o feminismo mais combativo volva a cena pública para enfrentar com mais força que nunca o patriarcado.

BRIGA, no marco do III Congresso Nacional, realizou umha aposta decidida nesta linha e o re-lançamento da actividade feminista será peça angular da intervençom dos próximos anos. Neste 8 de Março daremos o primeiro passo nesta direcçom.

Que é o 8 de março?
É o Dia da Mulher Trabalhadora, nas suas origens Dia a Mulher Socialista, umha jornada de luita e reivindicaçom feminista.

O quê é a opressom da mulher?
É a situaçom da mulher que é obrigada a submeter-se, aceitar, obedecer e cumprir as ordens, caprichos e insinuaçons do seu companheiro, chefe, pai... em geral é umha situaçom que sofre a mulher submetida á opressom do género masculino.

O quê é a dominaçom da mulher?
É um sistema conformado por umha rede de opressons ideológicas, culturais, religiosas, educativas, económicos... que fam que a mulher esteja alienada e aceite a sua situaçom como normal e histórica.

O que é a exploraçom da mulher?
A mulheres além do trabalho domestico, desenvolvemos um trabalho assalariado. Produce-se assim a dupla jornada, a primeira sem remuneraçom e a segunda com umha remunaraçom inferior à do homem, isso é exploraçom.

O que é o patriarcado?
É a combinaçom de opressom, dominaçom e exploraçom que sufrimos as mulheres na nossa vida quotidiana, extraendo assim em este processo um ganho económico resultado da exploraçom da força de trabalho da mulher.

A quem beneficia?
Beneficia ao sistema patriarco-burgues mediante a utilizaçom do trabalho doméstico que renova e alimenta a força de trabalho social, a opressom do corpo da mulher como parideira ou objecto submiso de pracer falocêntrico, a dominaçom política, cultural e ideológica, como objecto de desfogamento das frustraçons e fracassos pessoais dos homens, como trofeo para fortalecer a sua autoestima...

Que podes fazer?
Tu sosinha nada, agora todas juntas todo. Podemos superar o patriarcado, rematar com os benefícios que a classe burguesa extrae das mulheres trabalhadoras, romper os roles de genero, podemos ter umha sexulalidade plena, abolir o heterocentrismo e a unidade familiar, podemos em definitiva... fazer a revoluçom.

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher