BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Trabalhadoras/es do sector desportivo cumprem 12 dias de greve

imagem

Campanha Tempo de crise, tempo de luita

Fevereiro de 2010

Desde o passado 1 de Fevereiro o conjunto de trabalhadoras e trabalhadores dos clubes e das instalaçons desportivas na Galiza estam em greve indefinida. Decisom forçada polo reiterado desinteresse da patronal por chegar a um acordo, após mais de 2 anos de negociaçons de um convénio colectivo galego. @s trabalhadores/as, na imensa maioria jovens, reivindicam principalmente aumentos salariais (na actualidade cobram 733 euros ao mês) e uns horários laborais dignos que superem a actual irregularidade.

A proposta da patronal organizada em Agidega (Associaçom de Empresas Gestoras de Instalaçons Desportivas da Galiza) respostou aos paros pontoais iniciados fai meses com umha ameaça: O recurte de direitos e para @s contratad@s com melhor situaçom laboral, sem modificar a precariedade do resto de trabalhadoras e trabalhadores. Cumpria na letra umha das diversas reclamaçons d@s trabalhadores/as, a de um convénio único e específico para as instalaçons desportivas, mas na prática reduzindo custes a base de empiorar as condiçons laborais do conjunto.

Se temos em conta que a maioria dos polidesportivos som de titulariade pública e as concessons fôrom adjudicadas polos concelhos e pola Junta, evidencia-se que nom só é a patronal do sector a que agrede aos/às trabalhadores/as desportivos, mas também o governo autonómico, cujas instituiçons defendem e protegem os intereses das empresas, a expensas dos direitos da classe trabalhadora.

De BRIGA parabenizamos a firmeza ante os mais de 11 dias de greve, e a inteireza d@s protagonistas que nom aceitárom o pré-acordo claudicante do sindicalismo amarelo, ensaiando a ferramenta mais útil para atingir melhoras no posto de trabalho, paralizar ERE e frear a ofensiva do capital e as suas conseqüências, a tam preçada precariedade laboral omnipresente em todos os centros de trabalho da Galiza.

A LUITA É ÚNICO CAMINHO!!

A MELHOR MEDIDA ANTI-CRISE, GREVE GERAL!!!

Ver também a campanha: Tempo de crise, tempo de luita