BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Boicotes às lojas de Adolfo Domínguez polo 8 de Março

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Março de 2010

Após a autoproclamaçom de Adolfo Dominguez em porta-voz das agressons patronais com as suas declaraçons a favor do despedimento livre, o aumento da idade de reforma e os recortes dos gastos públicos em sanidade e educaçom que tam calorosamente fôrom aplaudidas por António Fontenla e Feijó, as mulheres de BRIGA quigemos lembrar-lhes no passado 8 de Março, Dia da Mulher Trabalhadora, que as jovens galegas nom queremos seguir sendo tratadas como gado polo mercado laboral. É por isso que nas noites prévias à data feminista várias lojas fôrom boicotadas com pintura lilás em diferentes cidades da Galiza.

O sector têxtil é umha das ramas industriais mais feminizadas e onde cada vez se vulneram mais as condiçons laborais, muito especialmente na firma do empresário Adolfo Domínguez.

As irregularidades deste icóne da elegância europeia vam desde os talheres clandestinos, as horas extras irregulares, os salários míseros ou congelados (se nas fábricas da Galiza som baixos na India e na China onde tem as suas principais fábricas proveedoras a meia está nos 66 e 72 euros respeitivamente, menos se o trabalho o desempenha umha criança). Ou que dizer, dos contratos em fraude de lei, as reducçons de jornada de jeito obrigatório, as mudas dos horários, os traslados de centro, as sançons disciplinárias ou inclussive a conculcaçom de direitos funtamentais como impedir as eleiçons sindicais nos seus centros e, por suposto, o incumprimento do convénio colectivo. Adolfo Dominguez tivo que reconhecer que só o 40% das suas fábricas proveedoras tenhem um sindicato que represente às trabalhadoras.

Ainda ficam muitos terroristas machistas e patronais por assinalar, agora mais que nunca é necessario erguer a bandeira lilás do combate feminista. É preciso reagir contra todas as reivindicaçons do patriarcado e da burguesia com respostas organizadas, devemos ser as mulheres as que com as nossas acçons e palavras de ordem assinalemos, ataquemos e silenciemos a todos aqueles que usam a violência do sistema para dominar-nos e explorar-nos.

Recuperemos o 8 de Março, como um dia de luita!

Avante a luita feminista!!

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher