BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Aprovada lei autonómica impulsada por grupos antiabortistas

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Junho de 2010

Tam só umhas semanas depois de que o PPdG anunciasse a intencionalidade de reactivar a Proposiçom de Lei, que permitiria “concertos” entre a Junta e organizaçons fundamentalistas católicas, foi definitivamente aprovada no dia de ontem.

O acontecido neste 22 de Junho trata-se de umha notícia anunciada. Quando em 2009 se serviram também da sua maioria absoluta para dar luz verde à Iniciativa Legislativa Popular impulsada por RedMadre que desembocava nesta Proposiçom de Lei ninguém pensava que foram recuar o mais mínimo por mui falso debate que estivessem a criar os demais grupos parlamentários. O congelamento devia-se unicamente a simples questons de calendários políticos. Quê melhor legitimaçom para o anteprojecto recentemente apresentado pola Conselheraria de Trabalho e Bem-Estar, com umha profunda conceiçom antiabortista, que ter aprovada umha lei xurdida da “iniciativa popular”?

O integrismo dos impresentáveis que tenhem ocupado Sam Caetano é de tal calado que até se valora umha vitória a supressom da identificaçom de aborto com defunçom. Emenda que de por si deslegitima o conteúdo íntegro desta normativa, cozinhada com os ingredientes da misogínia e o fundamentalismo. Por outro lado, o hipócrita papel do PSdG e do BNG rasgando-se as vestiduras nom serve nem tam sequer para ocultar a guerra polos votos e o jogo de oposiçom nessas batalhas por um espaço próprio na política institucional. Mais umha vez actuam por activa e por passiva desconsiderando a voz das miles de mulheres afectadas por esta normativa tam involucionista, aspirando que as organizaçons feministas bailem ao seu compasso.

Destacamos que no dia de ontem diversas organizaçons feministas, entre elas a Rede Feminista Galega e MNG, estivérom protestando às portas do Parlamentinho. Por outra banda, dentro do prédio houvo feministas que apoupárom o debate com berros de “nós parimos, nós decidimos”.

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher