BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Papa Bento XVI, FORA DA GALIZA!!

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Outubro de 2010

Em 6 de Novembro o Papa Bento XVI vem visitar à Galiza. Em plena crise capitalista, quando os nossos direitos laborais e sociais estam sendo atacados continuamente, e os recortes na inversom pública som cada vez mais selvagens, as instituiçoms espanholas e o governo de Feijoo, encarregam-se de fazer um gasto público de 4 milhons de euros para pagar a visita do pontífice. Graças ao qual agudiçara-se aínda mais o estado de sítio no que se atopa a capital galega devido a promoçom do nacional-catolicismo com o “Ano Jacobeu”. Assim, com o Papa chegaram a Galiza 2.000 polícias que ocuparam as nossas ruas com os seus controis policiais e as suas armas, acentuando a criminalizaçom da juventude e das mulheres rebeldes.

O ícone mais elevado “na Terra” da Igreja Católica está na Galiza para defender os valores do patriarcado e do fundamentalismo. A instituçom que secundou e acompanhou o auge do fascismo e que é cumplice do genocídio galego durante a ditadura franquista convida à sua cabeça visível para reafirmar a sua misoginia e lesbigaitransfobia com dinheiro público.

Somando-nos as númerosas iniciativas xurdidas nas últimas semanas as jovens de BRIGA também manifestamos que nós tampouco esperamos a chegada nem do Papa nem dos miles de fundamentalistas que encheram Compostela com as suas consignas a favor de tombar os avançons sociais que a mulher trabalhadora consquistou rachando com esse cánone heterossexista que obriga a mulher a aceitar o papel de filha-mae-esposa.

Por isso, como mulheres revolucionárias, reiteramos o nosso rechaço a visita do Papa. Estamos em contra da súa “moralidade” e da financiaçom pública da viagem deste tam detestável pessoeiro. As nossa aposta é pola contruçom de umha Galiza laica e nom patriarcal, e pola eliminaçom desta instituçom que nom fai máis que alimentar a violência do patriarcado.

Avante a luita feminista!

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher