BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Acto da Rede Feminista Galega: “Fouces contra a violência machista”, o 27N em Compostela

imagem

Especial Comissom Nacional da Mulher

Novembro de 2010

De novo a Rede Feminista Galega sairá a rua. Desta volta para denunciar nom só ao terrorismo machista mais descarnado se nom também a rendabilidade económica e política que as instituiçons estam a tirar no nomem de um feminismo falso que tem como finalidade última a desmobilizaçom do movimento feminista galego.

O acto terá lugar no mercado de Abastos em Compostela o 27 de Novembro e dará começo às 12h, sob a legenda “Fouces contra a violência machista”

A seguir reproduzimos o texto feito público no seu blogue e que dam boa mostra do porquê as mulheres galegas temos umha cita nas ruas da capital da Galiza o vindouro sábado:

27 de Novembro: Fouces contra a violência machista

Porque as empregadas de fogar seguem a estar em condiçons de escravidom.

Porque a que traspassa as fronteiras e é pobre perde todos os direitos.

Porque as mulheres violentadas, agredidas, maltratadas,… som vitimizadas, julgadas, e revitimizadas.

Porque a igreja e os poderes públicos trabalham juntos na perpetuaçom do patriarcado, constituíndo instituiçons de alto risco para as mulheres.

Porque as mulheres que se defendem som criminalizadas, e voltam a ser agredidas polas instituiçons que as desprotegem, e que criam e perpetuam a violência contra nós.

Porque a maioria das pessoas que vivem em situaçom de pobreza no mundo, som mulheres.

Porque seguimos a ser assassinadas.

Porque violar-nos é arma bélica que desmoraliza ao inimigo masculino, ademais de limpar a raça.

Porque o machismo é o terrorismo.

Porque a heterossexualidade como único caminho é um modo mais de controlo e de perpetuaçom de violência, ademais de um artifício obrigatório.

Porque somos mercantilizadas, objectualizadas, marcadas, conquistadas,…

Porque este texto pode ser infinito e estamos FARTAS.

Temos a capacidade de defender-nos, porque levamos toda a vida fazendo-o num mundo feminicida. E seguimos luitando.

Contra o terrorismo machista,
AUTO-DEFESA FEMINISTA!

Ver também o especial: Comissom Nacional da Mulher