BRIGA, organizaçom juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gráfico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas
not/i706.jpg

Resposta feminista também em Vigo e Ponte Vedra contra o integrismo antiabortista

As últimas cidades galegas escolhidas pola misógina associaçom Direito a Viver fôrom Ponte Vedra e Vigo, e nelas, houvo mulheres dispostas a erguer a voz contra o seu integrismo. Na tarde do 26 de Maio a Alameda de Ponte Vedra era o lugar escolhido por estes fundamentalistas para estacionar o autocarro. Ao pouco de chegar, um grupo de jovens com cartazes com a legenda de “Aborto livre. Stop integrismo católico” colocárom-se ao lado dando a voz de alarma da localizaçom do grupo machista e a sua campanha contra os direitos das mulheres. [...+]

not/i705.jpg

Começa a campanha feminista "Isto é patriarcado!"

A Comissom Nacional da Mulher de BRIGA deu começo à campanha “ Isto é o patriarcado”, ao longo destes meses trataremos de pôr-lhe rosto aos responsáveis directos da violência patriarcal que as jovens galegas padecemos. Compostela e Ponte Vedra fôrom as cidades escolhidas para os actos inicias colocando no ponto de mira as multinacionais de roupa-jovem e em especial a Inditex, tam louvada nestes dias por “saber sortear as graves repercusons da crise”. [...+]

not/i704.jpg

Guardia Civil acossa jovens organizados no Baixo Minho

O passado fim de semana produziu-se no Baixo Minho um novo episódio do acosso da Guardia Civil contra a juventude organizada. Quando ainda recordamos o assalto do corpo militar espanhol às instalaçons nas que decorria a última ediçom da Escola de Formaçom, um controlo "rotinário" da Guardia Civil conformado por oito uniformados tratou de intimidar a três jovens no Baixo Minho.[...+]

not/i702.jpg

Acçom feminista em Compostela polo direito ao aborto

Hoje às 12h00 na Alameda um centenar de mulheres concentravam-se para contestar as campanhas machistas e retrógradas que as mulheres estamos a suportar arredor do debate do nosso direito ao aborto. Campanhas que pretendem a seguir negando a mulher o direito mais fundamental e óbvio de todos, o direito a ser donas de nós mesmas, de ser donas dos nossos corpos. É contra todo isto, polo que hoje sacamos as ruas de Compostela umha outra vez a cor lilas com legendas como “aborto livre e gratuíto”, “a maternidade é umha elecçom, o aborto também”, "direito a decider”...[...+]

not/i703.jpg

Greve do metal mobiliza miles de trabalhadores em Vigo

Os quatro últimos dias de greve na província de Ponte Vedra tenhem amosado dum jeito vibrante o único caminho que existe para repeler as agressons que a crise em curso está a dirigir contra @s trabalhadores/as galeg@s. 3.500 empresas totalmente paradas, 30.000 pessoas secundando a greve (a prática totalidade d@s trabalhadores/as) e miles reclamando um convénio digno nas ruas de Vigo e toda a província, piquetes, assembleias de trabalhadores/as e jornadas de mobilizaçons com a participaçom doutros sectores afectados como o naval e os estaleiros. [...+]

not/i701.jpg

Mobilizaçom em defesa da língua atinge grande sucesso em Compostela

A manifestaçom que percorreu a capital do nosso país o passado 17 de Maio bateu todos os recordes históricos em matéria de reivindicaçom lingüística. Dúzias de miles de pessoas lotárom as ruas compostelanas, deixando a marchinha de Galicia Bilingüe como o que é: A representaçom do neofascismo institucional, com escassos apoios na rua e nulo aval popular. A Plataforma Galego Sempre Mais participou como bloco diferenciado com discurso próprio, no que muitas das mais de corenta entidades assinantes assistirom com faixa própria.[...+]

not/i700.jpg

Propaganda integrista, fora da Galiza. Aborto livre!

Desde o 20 até o 28 de Maio o autocarro da misógina associaçom antiabortista Direito a Viver percorrerá um bom número de cidades galegas na procura de assinaturas em apoio ao seu integrismo. Ante tam indesejada visita e as continuas campanhas fundamentalistas as jovens de BRIGA fazemos um chamado a respostar na rua a esta nova provocaçom ao feminismo de classe e manifestamos: 1. As campanhas antiabortistas da Conferência Episcopal, do Foro Espanhol da Família, o de Direito a Viver ou a “Declaraçom de Madrid” assinada por fundamentalistas “intelectuais” católicos (muitos professores nas universidade galegas) evidenciam a preocupante situaçom dos direitos sexuais das mulheres.[...+]

not/i699.jpg

BRIGA reivindica o Dia da Mulher Antimilitarista

Tradicionalmente o movimento feminista sempre tivo, em todas as suas vertentes, umha forte tradiçom antimilitarista de facto o feminismo consequente é irrencociliável com o militarismo que é o máximo exponhente da violência machista. A luita duns poucos homens para submeter ao resto dos homens e a todas as mulheres, pola contra o feminismo é um exercício diário de rebeldia e insubmissom. Nom esqueçamos que os valores do exército som o patriarcado, o militarismo, a xenofobia, a homofóbia,a obediência cega...[...+]

not/i698.jpg

BRIGA chama a participar na mobilizaçom da plataforma "Galego, sempre mais"

A cercania do 17 de Maio e a iminência da mobilizaçom em defesa do galego convocada pola plataforma Galego Sempre Mais, reveste umha releváncia muito maior do que em anos anteriores. O tranze agónico que atravessa a nossa língua, o desterro ao olvido mais absoluto de todos os traços que nos identificam como povo, a imposiçom do falso consenso que está a exterminar a nossa identidade colectiva; está a alcançar umha violência despiadada cada vez mais difícil de agochar sob o manto da convivência harmónica entre línguas, esse partilhamento esquizofrénico que existe só na teoria do opressor.[...+]

not/i697.jpg

Galego, sempre mais. Contra a imposiçom do castelhano

O dia 17 de maio é um dia para denunciar nas ruas a única imposiçom lingüística verificável que este país sofre diariamente. E este ano estamos a viver um contexto novo, um contexto cheio de dúvidas e de poucas esperanças para a sobrevivência da língua na Galiza, daí que todos o colectivos que assinamos este manifesto queiramos expressar conjuntamente o nosso ponto de vista e contribuir para o avanço da normalidade lingüística no nosso País.[...+]