BRIGA, organiza�om juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gr�fico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Entrevistamos a Presencia Zero

imagem

Junho de 2005

A inexistncia de espaos musicais para os grupos que se expressam em galego umha realidade esmagante no cenrio musical na Galiza, saturado por produons musicais espanholas e politicamente correctas, feitas para consumo de massas. Fbricas de "msic@s" como Operaom Triunfo conformam a linha musical "permitida", os McDonalds da msica, jogando um papel fulcral na espanholizaom e alienaom da juventude. Canons idiotizantes, repetitivas, como qualquer "xito do verao", nom s espanholizam os espaos de lazer d@s jovens, mas transmitem umha srie de valores patriarcais como o sexismo e o machismo, ao mesmo tempo que vendem umha imagem do que se quer que seja um/umha mo@ galeg@: umha mquina estpida de consumir cubatas e cocana nos fins-de-semana, enquanto se deixa a pele no trabalho durante os dias laborais.

BRIGA quer empregar a sua web para potenciar esse tam necessrio lugar para os grupos galegos e combativos, que nom s nom som impulsionados por concelhos e discogrficas, mas som ninguneados e excludos de um cenrio musical que lhes corresponde por direito. Hoje temos connosco Presencia Zero, um dos grupos de metal em galego mais novos, que @s que assistimos Escola de Formaom05 organizada por AGIR e BRIGA j pudemos desfrutar em concerto. A seguir reproduzimos a entrevista feita ao grupo:

A actual escaseza de bandas que cantem em galego umha das tnicas habituais do cenrio da msica na Galiza, ainda mais no caso do metal. Quais pensades que som as causas, e que vos levou a expressar a vossa msica empregando o nosso idioma?

Umha das principais causas pode ser a actual situaom diglssica existente na Galiza que afecta directamenete a msica. Ns cantamos em galego porque seria estpido cantar noutra lngua se levas falando galego de toda a vida.

Sodes umha banda de gente muito nova. Que razons vos levrom a comear a fazer concertos?

O apoio doutros msicos de zona foi o que nos fijo dar o paso. Tivemo-lo fcil graas a que nos emprestavam os instrumentos e um local onde tocar.

Aguardades poder dedicar-vos profissionalmente msica? Que possibilidades vedes para um grupo como o vosso?

Ns vamos para estrelas (risas). Nom a srio, ns fazemos isto s porque nos mola e porque temos bebida de graa quando vamos tocar. Mas estaria bem que um grupo galego se figesse notar cantando em galego. Seria umha boa reivindicaom da lngua.

As letras comprometidas e combativas brilham tambm pola sua ausncia na maioria do panorama musical galego. Que efeito buscades hora de compor letras reivindicativas?

S intentamos transmitir todo o que nos rodeia, som letras reivindicativas devido aos numerosos problemas da sociedade actual. Chega com ligar a televisom e ver o telejornal (nom acredites nada) para obter os motivos polos que fazemos estas letras.

Em que estilo enquadrades a vossa msica?

Podese dizer que fazemos umha espcie de rap-metal-brutal-rural-em galego... e abrao aberto!

Quais som as vossas influncias musicais mais destacveis?

Rage Against the Machine umha das influncias mais comum entre todos ns. Ainda que escuitamos um pouco de todo (ags Bisbal e colegueo) outros grupos dos que gostamos muito som: System of a down, Korn, Sepultura, Cypres Hill, Tool, Slipknot, ofunkillo, Sugarless.....

Para quando a primeira ediom dum lbum?

Nom temos nada programado; a ver que nos traem os reis magos do ano que vem, ainda que normalmente se portam melhor os camelos (risas).