BRIGA, organiza�om juvenil da esquerda independentista

Loja Virtual
Arquivo Gr�fico
correio-e:
Compartilhar
Actualizada em
14/01/14
novas

Entrevistamos a Noela Campanha, da Brigada Galega Fuco Gomes

imagem

Disponibilizamos no nosso web a entrevista que @s companheir@s do Grupo de Base de Trasancos realizarom a Noela Campanha, membro da Brigada Galega Fuco Gomes e que recentemente regressou da primeira experincia internacionalista em Cuba, e que foi reproduciodo no seu vozeiro comarcal.

COMBATE. O vosso foi a primeira viagem organizada pola Brigada Galega Fuco Gomes. Com que objectivo nasce este colectivo?

Noela Campanha. Os nossos objectivos principais som o apoio Revoluom Cubana e a solidariedade com o povo que a dirio luita por ela. Ao mesmo tempo, tod@s na BGFG somos militantes ou simpatizantes da esquerda independentista, dizer, trabalhamos para que a Revoluom tenha lugar tambm na Galiza; por tanto o sentimento internacionalista o que nos motiva a conhecer e aprofundar na realidade cubana e a difundir os seus logros assim como tambm propagar a luita pola independncia, o socialismo e o antipatriarcado da Galiza em Cuba.

C. Concretamente em que consistem as Brigadas Internacionais de Trabalho Voluntrio?

NC. Som grupos de amigas e amigos da Revoluom Cubana organizados desde a Ilha, chegad@s de todas as partes do mundo para realizar diferentes trabalhos de ajuda, solidariedade e apoio. Seja reconstrucom de vivendas deitadas polos furacns, trabalhos agrcolas, etc. A nossa era umha brigada muito especial j que conmemorava o 50 Aniversrio do Triunfo do movimento popular sobre a tirania de Batista.

C. A vossa viagem produce-se poucas semanas depois de que a Ilha sofrera os embates dos furacns Ike e Gustav. Como atopachedes a situaom e a resposta da Revoluom ante estes desastres naturais?

NC. Nom estivemos nas zonas mais afectadas, mas a pegada dos furacans geralizada na ilha. Se bem o custo humano foi mnimo graas a cultura dos ciclons, os desperfeitos nas colheitas e vivendas som os problemas mais urgentes. Ante o primeiro apostou-se por incentivar os cultivos de ciclo curto para evitar alongar mais do imprescendvel o desabestecemento. Com respeito ao segundo, a vivenda era um dos problemas em Cuba prvios aos ciclons, hoje a situaom agravou-se de 10000 famlias na listagem de assignaom de prdio a 30000.

C. Como valorades a experincia da vossa estadia em Cuba?

NC. Inolvidvel e mui possitiva, imagina 15 dias de convvio e debate com esquerdas de 22 paises diferentes (Grcia, Colmbia, Irm, Corea...), conversas com @s protagonistas da Revoluom, visitas aos mticos lugares da histria cubana (quartel do Moncada, Santa Clara, manglar onde chega o Gramma etc.) Alm disto, avanamos no propsito de identificar e combater os problemas que podemos atopar num foro internacional como este por sermos umha naom sem estado (por ex. na viagem tivemos muitos conflitos com a delegaom espanhola devido s suas pressons sobre o ICAP para que fossemos tratad@s como parte da sua delegaom, tambm apreendimos como aproximar a nossa luita a todas as pessoas que nunca ouviram falar da Galiza).

C. Aps esta primeira viagem, que perspectivas de trabalho tem o colectivo?

NC. O principal objectivo dar-lhe continuidade a esta experincia, organizando desde o colectivo o envio de brigadistas desde Galiza umha vez ao ano. Cremos que o conhecimento directo da realidade e reptos do processo revolucionrio cubano por parte de galeg@s, contribuir a fazer crescer o movimento de solidariedade internacionalista com a Ilha e com outros povos em luita.

No terreno da amizade com Cuba, existe na Galiza um colectivo para ns referencial, a Associaom de Amizade galego-cubana Francisco Vilhamil. A nossa actividade estaria encaminhada colaboraom com o trabalho que realizam @s companheir@s, aportando no possvel iniciativas no caminhop de fortalecer o movimento internacionalista na Galiza.

C. Pola nossa parte nada mais. Se tes algo mais que aportar. este o momento.

NC. Animar-vos a tod@s a formar parte da BGFC, umha experincia muito enriquecedora para aquelas pessoas que acreditam que s mediante a destruiom do capitalismo se pode atingir um futuro melhor.